Páginas

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Operações já apreenderam 1.177,6kg de drogas no Maranhão

Número representa um aumento de 165% em relação às apreensões em 2014

CONTRA O TRÁFICO
06/07/2015 - 12h27
Foto: Divulgação.
Divulgação
Operações policiais triplicam a apreensão de drogas no Maranhão no 1º semestre de 2015 em relação ao mesmo período de 2014
O combate ao tráfico de drogas é uma das prioridades do Governo do Maranhão, pois essa prática criminosa é responsável pelo registro de várias outras, como homicídios e latrocínios, além do financiamento de organizações criminosas. Nos seis primeiros meses deste ano, as forças policiais do Maranhão já apreenderam 1.177,6kg de drogas. Esse número representa um aumento de 165% em relação às apreensões registradas no mesmo período do passado, quando foram apreendidos 444,2kg de droga.
“Combatendo o tráfico de drogas estamos atuando na prevenção de uma série de outros crimes, pois é daí que vem o financiamento das organizações criminosas. Sem dinheiro elas perdem força de atuação. Com o combate ao tráfico também colaboramos para a redução dos índices de violência”, destacou o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, relatando que uma das prioridades do governo Flávio Dino é colocar em prática a política de promoção de paz.
Do total de drogas apreendidas de janeiro a junho deste ano no Maranhão, 837,3kg foram de maconha e 340,2kg foram de cocaína e seus derivados, incluindo merla e crack. Nos seis primeiros meses de 2014 foram apenas 358,9kg de maconha e 85,3kg de cocaína e derivados. Os dados são do Sistema Nacional de Estatísticas em Segurança Pública e Justiça Criminal (SINESPJC) e do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim-MA).
O resultado tão positivo se deve à integração inédita dos serviços de inteligência de todas as forças policiais do estado. “Com esse fluxo de informação bem-definido pelo governo Flávio Dino, conseguimos fazer intervenções mais rápidas e precisas”, frisou o delegado-geral Augusto Barros.
Plantações de maconha
Fazendo uma análise mais profunda, é possível identificar um número ainda mais expressivo de drogas apreendidas no estado, já que nos registros do SINESPJUC e do Icrim não estão contabilizadas as centenas de pés de maconha clandestinos encontrados e incinerados em várias regiões do estado no início deste ano.
No mês de maio, uma ação conjunta entre o Batalhão de Polícia Choque (BPChoque), a Polícia Militar e o Grupo Tático Aéreo (GTA), acabou com um plantio de 9 mil pés de maconha no município de Santa Luzia do Tide. Somente na região de Tutóia, duas plantações foram incineradas apenas neste ano: uma em fevereiro e outra em junho.
0 imparcial

Verba do mês de junho em Araioses

DEMONSTRATIVO DE DISTRIBUIÇÃO DA ARRECADAÇÃO

SISBB - Sistema de Informações Banco do Brasil





ARAIOSES - MA
FPM - FUNDO DE PARTICIPACAO DOS MUNICIPIOS
CREDITO FUNDO
R$ 1.747.503,55 C
FEP - FUNDO ESPECIAL DO PETROLEO
CREDITO FUNDO
R$ 18.646,90 C
ICMS - DESONERACAO DAS EXPORTACOES LEI 87/96
CREDITO FUNDO
R$ 1.190,13 C
ITR - IMPOSTO TERRITORIAL RURAL
CREDITO FUNDO
R$ 153,44 C
ICS - ICMS ESTADUAL
CREDITO FUNDO
R$ 188.688,09 C
FUS - FUNDO SAUDE
CREDITO FUNDO
R$ 290.831,12 C
IPM - IPI EXPORTACAO - COTA MUNICIPIO
CREDITO FUNDO
R$ 1.071,82 C
FUNDEB - FNDO MANUT DES EDUC BASICA E VLRIZ PROF EDUC
CREDITO FUNDO
R$ 3.172.466,36 C
SNA - SIMPLES NACIONAL
CREDITO FUNDO
R$ 289,02 C
TOTAL DOS REPASSES NO PERIODO
https://www42.bb.com.br/portalbb/daf/a4j/g/3_3_2.GAimages/spacer.gif
CREDITO BENEF.
R$ 5.420.840,43 C

Porte de arma branca pode ser incluído como crime no Código Penal



A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) pode aprovar, nesta quarta-feira (8), a criação de mais um tipo penal: o porte de arma branca para fins criminosos. A medida foi sugerida em projeto de lei (PLS 311/2015) do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e conta com relatório favorável da senadora Simone Tebet (PMDB-MS).

Além de inserir esse delito no Código Penal, a proposta de Jucá cria uma agravante geral para qualquer crime cometido com violência ou ameaça à pessoa utilizando armas brancas (faca, canivete, estilete e punhal). Segundo explicou a relatora, o porte desse tipo de arma se enquadra, atualmente, como contravenção penal, classificação que a senadora considera “incompatível com a gravidade dos delitos a elas associados.”

“Justifica-se a criação da circunstância agravante para condutas que possuem maior potencial ofensivo. A toda evidência, o uso de artefatos perfurantes ou cortantes oferece maior possibilidade de dano à vítima, tornando-a mais vulnerável. A resposta penal, portanto, será proporcional à agressão.”, observou Simone.

Ao justificar a apresentação do PLS 311/2015, Jucá chamou atenção para a “epidemia de crimes violentos com armas brancas”, muitos registrados recentemente no Rio de Janeiro e noticiados, inclusive, pela mídia estrangeira. O peemedebista demonstrou preocupação com o impacto negativo de fatos como esse sobre a imagem do país em meio aos preparativos para os Jogos Olímpicos de 2016.Epidemia de violência

Outra preocupação de Jucá foi deixar claro que a proposta não deverá punir injustamente as pessoas que carregam armas brancas para fins lícitos (arte ou ofício). Reforçou ainda que essa conduta só será punível se comprovada a intenção de se cometer um crime.

domingo, 5 de julho de 2015

PF investiga mais políticos no Maranhão fraudando o Bolsa Família


Políticos do Maranhão estão sendo investigados pela Polícia Federal por fraude no programa Bolsa Família. Antes, as descobertas eram a de que indicados por políticos não tinham necessidades e nem perfil para receber o benefício,
No Maranhão dezenas de pescadores contemplados pelo seguro defeso estão na relação dos que recebiam o Bolsa Família, assim como comerciantes, professores, diretores de escolas, enfermeiras, taxistas, funcionários públicos municipais com cargos elevados e, por último, filhos de vereadores e prefeitos.
A Polícia Federal vem realizando operação sigilosa e descobrindo agora o recebimento do benefício por vereadores em todo o Brasil, notadamente nos estados do Nordeste.
O maranhão, como não poderia deixar de ser, figura na lista da PF. A vereadora Deusa da Rita, eleita em 2012 pelo PSL, ficou cadastrada no Bolsa Família até 2013. Ela se elegeu em Monção, onde também exerce a atividade da pesca e recebe o seguro defeso.
Pelo Bolsa Família, a vereadora que é cadastrada com o nome de Maria de Jesus do Nascimento Lima, já embolsou R$ 5.448,00, além do salário de vereadora e pescadora. Abaixo os ganhos dele com o programa federal:
deusa
Na época em que se elegeu com salários de R$ 3.450, ela declarou à Justiça Eleitoral que tinha patrimônio de R$ 136 mil, com dois carros, uma casa e um comércio. Descoberta a fraude, ele responde na Justiça federal pro crime de estelionato.
Na cidade de Coroatá, o vereador Juscelino do Carmo Araújo (foto abaixo) declarou à Justiça Eleitoral que seu patrimônio chega a R$ 320 mil, mas ainda assim ele vinha recebendo na maior folga o benefício. Também responde a ação na Justiça Federal e terá que ressarcir à União o que recebeu de forma ilegal.
No Maranhão e em todo o Brasil as investigações continuam, notadamente as que relacionam vereadores de centenas de cidades. Para que se tenha ideia, mais de 1.500 políticos que se elegeram nas últimas duas eleições municipais estavam recebendo o Bolsa Família.
A PF trabalha agora para desvendar mais casos, como o da filha da filha do prefeito de Monção, no Maranhão, que também usou dos recursos federais.


juscelino




Saco de lixo serve de manta térmica em hospital de Santa Inês


O caso ocorreu no maior hospital de Santa Inês e foi denunciado na semana passada por meio das redes sociais.
Segundo familiares, o recém-nascido teve que ser transferido para São Luís pela falta de condições do município em oferecer o tratamento necessário para prematuros.

Nas fotos, ele aparece enrolado num saco plástico utilizado para o armazenamento de lixo, enquanto aguardava por uma manta térmica em um leito neonatal improvisado do hospital Tomáz Martins.

Anvisa aprova novo medicamento para deficiência imunológica

O órgão aprovou a venda da imunoglobulina subcutânea, proteína que exerce a função de anticorpos

Agência Brasil
Pacientes que nasceram ou perderam a capacidade do sistema imunológico de combater doenças infecciosas melhorarão sua qualidade de vida. Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou a venda da imunoglobulina subcutânea, proteína que exerce a função de anticorpos.
O único tratamento existente era com injeção intravenosa. Agora pode ser subcutânea, aplicada por meio de uma infusão sob a pele. A nova técnica dispensa horas de aplicação e a necessidade de o paciente ir ao hospital mensalmente para reposição de anticorpos. A substância pode ser aplicada em casa uma vez por semana.
A opção representa mais qualidade de vida para a pequena Bárbara Marques da Costa, 6 anos, que sofre com a síndrome de DiGeorge. A mãe de Bárbara, Kátia Marques, explicou que algumas vezes a filha não conseguiu receber a medicação pela dificuldade de mantê-la imóvel por muito tempo e de encontrar a veia.
“A aplicação subcutânea é muito mais confortável, menos estressante. É usada por crianças que têm uma série de questões com que lidar e, pela baixa imunidade, devem evitar sair muito, permanecer em aglomeração que existe no hospital”, comentou ela, que aplica a infusão na própria filha.
Bárbara faz uso do medicamento obtido por meio de uma ação judicial que obrigou o estado a pagar a importação do produto. Segundo Kátia, cada frasco custa em média R$2 mil e a maioria usa meia dúzia por mês.
Estima-se que mais de 19 mil pessoas nasceram com imunodeficiência, segundo levantamento do Grupo Brasileiro de Imunodeficiências Primárias. São mais de 150 doenças crônicas que atacam o sistema imunológico.
Em geral, pacientes adultos levam em média 4 a 5 horas para aplicar o medicamento na veia. Para as crianças, o tempo pode chegar até 40 minutos. A versão subcutânea feita em casa pode ser ministrada enquanto o paciente está concentrado em outra atividade.
A pesquisadora e médica responsável pelo Setor de Imunologia Clínica do Departamento de Pediatria da Unifesp-EPM, Beatriz Tavares Costa Carvalho atende a mais de 100 pacientes que fazem uso da imunoglobulina intravenosa.
Ela destacou que o medicamento aplicado na pele também oferece menos eventos adversos. “O medicamento via intravenosa causa náusea, dor de cabeça, calafrio. Raramente esses eventos ocorrem com a aplicação subcutânea”, explicou.
“Além disso, pela via intravenosa é preciso dar uma quantidade muito grande e a proteína vai se sendo degradada aos poucos. Quando você divide essa quantidade em quatro vezes, o nível de imunoglobulina é muito mais constante e muito mais fisiológico”, ressaltou a mética.
Beatriz salientou que a comunidade médica e entidades de pacientes esperavam há mais de nove anos pela versão subcutânea, que é utilizada em mais de 51 países e, em alguns, há mais de 25 anos.
Segundo ela, a próxima luta dos movimentos e entidades é incorporar o novo tratamento ao Sistema Único de Saúde (SUS). “Agora, com a aprovação da Anvisa, é muito provável que o tratamento seja ofertado pelo SUS, pois a nova tecnologia não é mais cara que a imunoglobulina via intravenosa”.

Comentário

Maranhão...

Resultado de imagem para corruptos presos
Prisões

O Blog tomou conhecimento de uma mega operação da polícia e do Gaeco para prender 27 pessoas com envolvimento no esquema de corrupção, que desviou milhões das prefeituras maranhenses.

Segundo informações, já pediram até a prisão dessas pessoas e só falta a Justiça decretar. Têm figurões no meio dessa operação.

Anotem!