Páginas

sábado, 28 de fevereiro de 2015

 SEM PAI E SEM MÃE



Como não é mais segredo sobre a grande rejeição da  administração da prefeita  Valeria do Manim, na região do Remanso  agora o tempo fechou e deixa de contar com representantes no momento.
         O vereador Raimundinho do Remanso vendo a desordem como a coisa pública esta sendo conduzido, tenta se manter observador assim acoima duramente as decisões da prefeita.

 Outro braço forte nas eleições em 2012 no remanso o Sr. Vinicius não escolhe caminho diferente ao falar sobre política a seu povo do remanso. “ vamos  mostrar que o povo bota e tira e se incomoda de tanta frustração de um governo voltado para beneficiar só familiares da prefeita’’.   

ELEITOR

Mais de 50 mil pessoas podem ter título de eleitor cancelado no MA



Em todo o país, são 1.782.035 eleitores correm o risco de cancelamento.
Eleições presidenciais de 2014 valeram como dois turnos diferentes.

Do G1 MA
Os eleitores que não votaram nas últimas três eleições e não justificaram a ausência podem ter o título de eleitor cancelado, conforme prevê a legislação eleitoral. No Maranhão, 55.778 eleitores estão em situação irregular, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão.
Para regularizar a situação, os eleitores precisam comparecer ao cartório eleitoral entre 2 de março e 4 de maio e apresentar documento com foto, título de eleitor e comprovantes de votação de justificativa eleitoral e recolhimento ou dispensa de multa.
Nos nove municípios maranhenses que passaram pelo recadastramento biométrico em 2013 e 2014, como São Luís, não existem eleitores que correm o risco de terem o título eleitoral cancelado. Em todo o país, 1.782.035 eleitores correm esse risco.
A relação das pessoas que podem ter o título cancelado está disponível nos cartórios eleitorais para consulta. O eleitor também pode verificar se o seu documento está sujeito ao cancelamento no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nenhum eleitor receberá qualquer tipo de notificação por correspondência ou e-mail.
O não comparecimento ao cartório eleitoral para comprovação do exercício do voto, da justificativa de ausência ou do pagamento das multas correspondentes implicará o cancelamento automático do título de eleitor, que será efetivado de 19 a 21 de maio.Os eleitores no exercício do voto facultativo – menores de 18 anos, maiores de 70 anos e os analfabetos – não serão identificados nas relações de faltosos.


domingo, 22 de fevereiro de 2015

EM FOCO





A portaria de nº 179 do Diário Oficial da União publicada na quarta-feira (18) listou todos os municípios brasileiros que tiveram os recursos financeiros federais bloqueados por não estarem enquadrados nas regras de observância ditadas pelo Ministério da Saúde, sendo assim punidos com a suspensão dos repasses.
Aqui no Maranhão, 29 municípios foram listados e tiveram os recursos bloqueados desde janeiro e vão ficar nessa situação até abril de 2015.por incompetência deixam o povo sofre.  
A irregularidade nesses municípios diz respeito à informação da produção da vigilância sanitária entre os meses de junho e outubro de 2014. Os gestores deixaram de apresentar dados ao Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/SUS)  por três meses consecutivos.
Em virtude disso, as 29 cidades listadas, que você confere abaixo, foram prejudicadas por incompetência da atual administração municipal. Veja o trecho extraído do Diário Oficial da União.


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

QUEM TE VIU, QUEM TE VER.


CARNAVAL EM ARAIOSES


Em grande apresentação Fabrícia encerra o carnaval na barreiras em Araioses-MA, só quem sobrou foi o pai da prefeita MANIM LEAL, aclamado a dois anos atrás na eleição de sua filha na cidade, queria participar do show e os foliões lhe deram uma tremenda vaia, tirando qual quer pretensões do cantor em se apresentar no palco. a prefeita vendo a cena se retirou do local, deixando todos na administração sobre aviso.  

Eu não canto mais galera pode nota.

                        PT PROMETE EXPULSAR FILIADOS CORRUPTOS

Jogar fora a banda podre do PT é a luz no fim do túnel para Lula e Dilma

Cortar na própria carne. Assim diz o PT na resolução aprovada pelo Diretório Nacional, após o aniversário de 35 anos da legenda, acossado por denúncias de corrupção nos 12 anos de governo Lula/Dilma.

Na resolução (veja AQUI), o aviso à militância corrupta é curto de grosso:

“O PT reafirma a disposição firme e inabalável de apoiar o combate à corrupção. Qualquer filiado que tiver, de forma comprovada, participado de corrupção, deve ser expulso.”

Depois de chegar ao poder, o partido sofreu um inchaço de novos filiados, recrutados sem qualquer critério.

NOVO PERFIL

O ingresso em massa de novos petistas ocorre especialmente nos períodos de votação interna, o chamado Processo de Eleição Direta (PED), quando são definidos os comandos dos diretórios municipais, estaduais e o nacional.

Arregimentados no laço, muitas vezes apenas para fazer número e votar, os petistas novatos encontram abrigo nas estruturas do partido e vão ficando.

Geralmente, são convocados a cada triênio para votar no PED.

Outros petistas, com poder econômico, são recrutados no submundo da política para fortalecer as chapas de vereador, prefeito, deputados nas eleições convencionais.

Sob o argumento de que o PT precisava crescer, as filiações foram realizadas no atacado e no varejo, até formar o quadro atual.

MUDA OU ACABA

Do jeito que está, o PT não pode ficar. É preciso fazer uma limpeza, daí a rigidez na resolução do Diretório Nacional.

Os petistas corruptos serão convidados a sair.

A resolução também convoca o partido a defender o governo da presidente Dilma Roussef e a Petrobras.

Segundo o PT, é preciso também reforçar as campanhas pela reforma política e pela democratização da mídia.

A legenda ainda conclama a militância para engrossar o coro com os movimentos sociais, levantar a bandeira da taxação das grandes fortunas e recuperar o modo petista de governar, elegendo prefeitos e vereadores em 2016.

Cheia de boas intenções, a resolução parece coisa do PT dos anos 80, quando estava em construção, puro e belo.

De qualquer forma, o que está escrito, se for cumprido, é a única forma de salvar o PT.

Se não mudar agora, acaba de vez.


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

CAEMA




Caema de Araioses ta igual o resultado da tele sena, falta água de hora em hora. Não é de hoje que a companhia de saneamento ambiental do maranhão, deixa o consumidor na mão, todos os dias durante plantão de 24 horas, falta água nas torneiras. 
Uns comentam que o sistema que abastece a população precariamente falta investimento pelo governo do estado, tendo duas linhas de transmissão da Cemar, tem uma a prova d’água se o tempo nubla  a energia oscila e o quadro da Caema fica parado, tendo como conseqüência bairros que só chega água durante a madrugada e de péssima qualidade.
 Faz anos que os consumidores reclamam do teor de sal, e a administração pública brinca e debocha dos araiosenses é quem tem poder de resolver o problema.  Caema tem convenção de serviço com a prefeitura, mais como quem não precisa esnoba, o povo sofre com a perversa administração.

Temos fontes de água potável no município como: o Rio Parnaíba, o Rio Magu, mais insistem em deixar a capitação em baixo da ponte de João Peres. Só temos que lamentar a situação, a previsão e que o subsolo fique seco com tanto poço artesiano, e o pior de tudo registrar a cidade com o maior índice de hipertenso no maranhão.          

VOTAÇÃO

O Senado promete votar no início de março mudanças no sistema político do país, em discussão há mais de duas décadas no Congresso. Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) disse que vai colocar em votação temas como o financiamento público das campanhas eleitorais, duração dos mandatos do Executivo e proibição de coligações nas eleições proporcionais, entre outros.
A ideia de Renan é votar as propostas paralelamente no Senado e na Câmara, para evitar que fiquem paradas em uma das Casas Legislativas, sem avanços, após aprovadas por uma delas.
"Estou marcando as votações das proposições relativas à reforma política para a primeira semana de março, logo após o Carnaval. Algumas serão votadas no Senado simultaneamente com votações na Câmara. Ou nós reformamos a política, ou todos seremos literalmente reformados", disse Renan na última terça-feira.
Há dez propostas em tramitação no Senado com mudanças no sistema política no país, a maioria delas polêmicas, como o financiamento público exclusivo das campanhas eleitorais. O PT apoia a proposta, que enfrenta resistências de siglas como o PMDB, principal aliado do governo federal.
Renan disse que vai sugerir um teto para as contribuições privadas, fixado entre 5% a 8% do valor total de cada campanha eleitoral. "O financiamento público, ainda que meritório, é impraticável. Na última eleição municipal, foram 541 mil candidatos de mais de 30 partidos. Essa quantidade inviabiliza qualquer iniciativa nesse sentido", afirmou.
Líder do PT, o senador Humberto Costa (PE) disse que o financiamento privado das campanhas é a "mãe de tantos males" do processo eleitoral.
O presidente do Senado disse que o atual sistema político brasileiro gera "instabilidade" diante do extenso número de partidos. O PMDB mobiliza aliados para tentar aprovar, na reforma, proposta que limite a criação de novas siglas. O partido está preocupado com o crescimento de legendas como o PSD, do ex-prefeito Gilberto Kassab, que ampliou o números de congressistas e vem ganhando força e protagonismo no governo.
A mudança tem o apoio do PT, favorável à redução de siglas no país. "Não dá mais para que haja uma Câmara dos Deputados onde os seus dois maiores partidos representem apenas 25% do total de parlamentares, enquanto outros 75% dos deputados estejam pulverizados em 26 legendas, muitas delas com apenas um parlamentar", criticou Costa.
Os peemedebistas também querem mudar a regra que permite a um deputado com votação expressiva "puxar" outros da legenda para a Câmara, mesmo que tenham recebido um pequeno número de votos nas urnas.
"Ninguém entende como um candidato com 700 votos, e até com 275 votos, como já ocorreu, assuma um mandato na Câmara dos Deputados. O voto transferível é uma deformação que estimula as legendas de aluguel", afirmou Renan.
A Câmara instalou na última terça uma comissão para discutir a reforma política. Foi eleito para o comando da comissão o deputado Rodrigo Maia (RJ), ex-presidente do DEM e ferrenho opositor das gestões do PT no governo federal. No Senado, serão realizadas sessões temáticas no plenário da Casa para discutir temas da reforma, antes da sua aprovação final.